Tags

, ,


Sabem..eu amo participar de atividades que incentiva que blogs (e as pessoas) possam interagir entre si, e por isso acabei me inscrevendo para participar de uma maratona de animes. Um blog é sorteado por outro, e o que sorteou acaba escolhendo um anime para que o outro blog veja: o melhor é que o anime tem que ser no estilo diferente que o pessoal assiste. Essa proposta foi o mais me incentivou a participar.

Fui escolhida, em um sorteio na verdade, e o meu anime foi Guilty Crown. Um anime que tinha visto o primeiro episódio a muito tempo atrás, mas não continuei a assistir.

Sinceramente, este não seria o tipo de anime que eu veria, pelo menos os primeiros episódios não tinha me conquistado antes e devo confessar que errei, e muito, ao largá-lo tempos atras. Guilty Crown é um anime completo. Sim, ele possuí romance, drama, guerra, vingança, erro, redenção.. Tudo que você pode esperar em um anime com ficção cientifica você encontra nele.

Estou apaixonada e triste ao mesmo tempo por ter finalizado esse anime. Quando começa você se pega pensando: Deve ser chato.. no meio deve ficar parado, entretanto isso não acontece em nenhum dos 22 episódios.

Guilty Crown é um anime que consegue abordar diversos temas dentro de sua temática fantasiosa, como a desigualdade, o medo que as pessoas sentem do desconhecido, a inveja que nos faz cometer atrocidades apenas para ficarmos bem consigo mesmo, a raiva por não ter o que deseja, a insanidade ao perceber que outra pessoa possuí o que você tanto quis… Ele conseguiu ser bem real apesar de sua fantasia.

A trama é muito bem elaborada, devo confessar (estou confessando tanto neste post que já me sinto em um confessionário) os personagens forem bem explorados, não apenas o principal, mas todos. Estou fanática por esse anime. Vamos começar a falar sobre ele antes que eu me perca em meus pensamentos:

O enredo se passa em Tóquio (obviamente) após um desastre que ocorreu no natal, ficando conhecido como Lost Christimas, fazendo com que uma parte da cidade fosse colada em quarentena. Ou seja, um “virus biológico” foi exposto e como consequência as pessoas morriam. Com medo de que se espalhasse precauções começaram a serem tomadas pelo governo, mas nem tudo é como se imagina, pois um grupo “terrorista” conhecido como Funerários estão prontos para salvar o mundo da devastação e do governo. Nessa história tudo começa quando Inori (Que na verdade guarda um segredo muito importante) é mostrada como uma jovem cantora que faz parte do grupo terrorista, ela conseguiu uma “arma biológica” (um tipo de genoma na verdade) que pode ajudar contra a luta com o governo (e seus robôs gigantes conhecidos como Endlaves). De uma forma nada convencional, ela acaba escapando e encontrando Shu.

Shu acaba dividindo o anime em duas partes, na verdade. Shu é o tipo de pessoa que é como qualquer uma. Ele é reservado, timido, mas tenta de seu jeito conseguir lidar com as pessoas. Ele tem sérios problemas de auto confiança e acredita que todos é melhor que ele. E isso acaba lhe trazendo sérios problemas, pois ate ele descobrir o seu potencial acaba perdendo muita coisa pelo caminho. Ao encontrar Inori acaba entrando em um mundo que o deixa aterrorizado, pois teria que matar pessoas para sobreviver já que, de alguma forma, ele entra nos Funérios como membro temporário.

Como tinha dito.. o anime possui duas fases:

1ª – Nessa primeira parte, somos apresentados a nova realidade do Japão e como tudo é relacionado a Inori. Neste momento Shu acaba conseguindo o genoma que Inori tentava proteger, e acaba possuindo um “Poder” que seria a mão direita – a mão direita do rei – (um poder que faz com que ele possa “pegar” o coração das pessoas e materializar em objetos – conhecido como Voild). No início, como em todo anime, ele fica inseguro e imaginando as consequências que tem com aquilo e como ele poderia sair disso tudo, pois tudo que desejava era uma vida tranquila. Uma vida onde ele não precisasse proteger ninguém, ser apenas ele mesmo, invisível.

2ª – Nesta segunda parte as coisas estão mais complicadas para Shu e seus amigos (acontece algumas coisas que não posso falar para não acabar com a surpresa) e em meio ao caos e ao desespero, eles começam a enxergar uma esperança na forma cruel de liderar um grupo. Shu se transforma completamente ao perder um de seus amigos, e com isso novas facetas dos personagens são mostrados. Apesar de Shu ter se mostrado como um ditador, assassino e louco no inicio dessa segunda parte, logo somos apresentados a um novo Shu, um Shu que perde tudo, e com isso encontra si mesmo.

Basicamente é assim que o anime é dividido, entretanto existe muito mais do que não falei. Há personagens extremamente vulneráveis e suicidas. Há muito mais emoção, e fiquem concentrados nas músicas.. Elas são perfeitas, e estou apaixonada por uma delas.

Isso tudo foi o anime que por sinal deixou algumas questões em aberto (coisas que eu esperava que fosse explicado nos Ovas).

Sinopse:

Lost Christimas, este é o nome do evento que conseguiu devastar a esperança e a vida de muitas pessoas no Japão. Um evento que ocorreu sem que ninguém soubesse o motivo, mas que poderia voltar a acontecer, pois ele era o inicio do Apocalipse. Shu é um jovem medroso que vê em Inori uma chance de se redimir por todas as vezes em que ficou escondido e com medo de fazer algo, mas nem tudo é o que ele imagina e tudo está ligado.

Anúncios