Tags

,


Apos um longo tempo desaparecida, eis que retorno com um J-drama.. Espero que gostem e logo teremos a resenha de um filme e um K-drama que muitos consideraram chato quando foi lançado (e eu incrivelmente gostei rs).

Um drama onde duas pessoas estão perdidas e ao se encontrarem, encontram a si mesma.

É um tanto complicado falar de Second Love porque a trama não é muito complicada e nem cheia de detalhes, é sobre um dançarino que ao ser despedido de uma companhia de dança acaba pensando que o melhor seria morrer, e sobre uma professora que não tem sonhos, apenas vive a vida sem emoção.

A partir dai já da pra ter uma ideia sobre como será a trama.

O dançarino Kei é um jovem impetuoso e obstinado que ao ser despedido vê a sua vida ruir. Para ele a dança era tudo e sem ela não valia a pena viver e é nesse momento que acaba “encontrando” a professora Yui, uma mulher que não conseguia enxergar as coisas boas da vida e se contentava com as migalhas.

Vale destacar que os personagens possuem uma diferença de idade, 6 anos se não estou enganada. Esta diferença é explorada de forma inconsciente, pois é mostrado como é a vida de alguem aos 33 anos e aos 27 anos.

O que achei mágico nesse drama foi a forma como o amor (paixão) foi abordado e a forma como esse sentimento foi mostrado, como salvação.

Durante os sete episódios seguimos assistindo a duas pessoas que se relacionam mais como uma forma de salvar uma a outra ou melhor a si mesma. Ficamos torcendo para que eles percebam a verdade: que não adianta se agarrar em alguem para seguir vivendo. E infelizmente eles percebem isso tarde, e como sabem.. em dramas tudo pode acontecer.

Logo no primeiro episódio Yui e Kei acabam se relacionando, isso já mostra a intensidade do relacionamento deles (que é puro fogo).

Personagens

Kei Taira

Um eximio dançarino famoso mundialmente que retorna para o Japão ao ser despedido da companhia aonde trabalhou por 10 anos. Desde pequeno aprendeu a viver com as outras pessoas rindo de sua profissão. Para ele a sua vida não tinha mais sentido e em todo momento pensa em se matar pelo menos ate ver a professora Yui. E nesse instante coloca todas as suas formas em conquistá-la.

Pessoalmente, achei ele meio desprezivel como pessoa em certos momentos, mas conseguimos entender o seu comportamento. Ele é uma pessoa que viveu sob os holofotes a vida toda e do nada tudo acaba.. Qualquer um ficaria perdido e buscaria alguma coisa para se apoiar. Entretanto, o que não gostei foi ele ter feito a Yui de suporte e quando “não precisou mais” foi.. simplesmente frio. Isso que me matou nele.

E como sempre o ator estava deslumbrante no papel. As cenas dele dançando são uma maravilha a parte.

Nishihara Yui

Uma professora que não sabe viver muito bem a sua vida. Acaba se envolvendo com um homem casado e acredita que isso (e viver com sua mãe louca e carente) é o suficiente para ser feliz. Ao conhecer Kei acaba encontrando outro sentido para felicidade.

A personagem dela é bem refrescante e agradável. Eu passei todos os episódios sorrindo, chorando e torcendo com ela.

Infelizmente não posso falar tanto sobre ela (também por não ter muito assunto), mas ela é o tipo de personagem por quem se vale a pena torcer.

Ayako

Pseudo-Vilã. A temida ex-namorada surge nesse drama em pele de cordeiro. Ela aparece como uma agradavel amiga ate que começa a se tornar possessiva, o que torna tudo melhor é que essa personagem teve a decência de ter um pouco de dignidade.

Yuto Ichinose

O stalker e maniaco do drama. Ele é um homem casado que acredita que casos amoroso servem para relaxar. Tem uma fixação pela Yui e não consegui entender porque ela quer terminar o caso deles.

Motivos para assistir:

  1. Kazuya Kamenashi:

O nosso querido Mr Brain (comentado AQUI). A perfeição em forma de ator. Talentoso. Bonito. E carismático. Tem como olhar para ele e não querer assistir o drama? Eu duvido muito.

2. Cenas de Danças:

Cenas lindas de danças contemporâneas. A cada cena em que Kei se apresenta ficamos babando na tela ao desfrutar desses, singelos, momentos.

3. Trama romântica e “prática”:

Não há grandes dramas (doenças terminais, pais que gostam de se meter na vida dos filhos, vilão ou vilã demasiado cruel..)

4. Cenas nada inocentes:

Sinopse:

Kei é um dançarino contemporâneo que acredita que sua vida não vale mais a pena ser vivida apos perder tudo. Prestes a acabar com tudo se encontra com uma “Deusa”, a professora Yui. Começa a se aproximar dela sem pensar em como será o futuro da relação deles.

Anúncios